Como se dá o encontro da Linha da Espiritualidade com a Linha Biológica

Ao sermos concebidos e nascermos ganhamos um corpo físico, biológico em sua essência e iniciam-se a Linha Biológica e a Linha Espiritual ao mesmo tempo convergindo entre si…

De cima no momento de nosso nascimento recebemos a linha Espiritual (linha azul no desenho) e de baixo inicia-se a nossa linha biológica (linha verde)

No centro temos a linha amarela reta que representa a linha do tempo em nossa vida terrena onde passam-se os anos que formam SETÊNIOS que são períodos, fases de 7 em 7 anos onde a cada um deles nossa vida recebe uma nova onda de vida e de razões e motivos para a próxima fase…

O nosso relógio biológico é disparado no instante em que somos concebidos e indiferentemente de um dia conhecermos ou não todas as fases partimos para a Vida, crescendo e realizando vontades e desejos adquiridos…

A linha biológica é associada a linha do TER pois recebemos um corpo físico o qual aprendemos que devemos cuidar dele como nossa casa de morada pelo período da vida e com isso tendemos a dar a ele todas as benesses possíveis a fim de procurar o Prazer e Evitar as Dores terrenas… então “temos” esse corpo ainda que temporário, e para cuidar dele aprendemos e valorizamos o TER…

Já a linha espiritual que também nasce no mesmo momento e vai se fundindo ao nosso Ser até que permeie tanto em nós que não seja mais possível ignorá-la… É preciso dar atenção e voz a ela através de nós… do que acreditamos e do que realizamos em nosso físico para com o nosso espiritual… Entender que esse corpo veio do pó e ao pó um dia devolveremos… por isso é importante mudar de pista ao longo da vida e ir “desocupando-o, desapegando”

À medida que a vida segue nos acostumamos a ela… Crescemos, nos entretemos e muitas vezes nos moldamos tanto à vida que nos fundimos e esquecemos dela… O tempo e os ciclos vão sendo consumidos até que o nosso espiritual esteja tão profundamente descido em nós que não podemos mais ignorá-lo… Ele começa a falar alto dentro de nós… e para ouvi-lo basta ficarmos em silêncio de palavras e conversar com Deus somente ouvindo…

Já quase sempre no meio da vida aos 35, 40 anos… nessa fase, nesse Setênio se nos entendemos bem, se nos conhecemos bem é preciso começar a devolução gradual do que o mundo nos deu… dando ênfase em nosso SER e começando a entender que o TER é passageiro em nós… e o espiritual se elevará ao Céus, ao Universo… Dessa forma “não morremos” com nosso corpo que um dia será devolvido ao pó e ficamos conscientes que cada dia é realmente um dia único como deveria ser em toda a nossa existência.

Essa ciência, a Antroposofia desenvolvida por Rudolf Steiner há mais de um século, desce em cada setênio como uma ponte de sete anos, abrindo cada fase e nos beneficiando com a antecipação do que está por vir… onde podemos e devemos pisar… E facilita a verdadeira fusão entre o nosso corpo e nosso espírito, com nossa própria fé como deve ser…

Vale a pena conhecer melhor esses conceitos e aprofundar neles, pois independente do credo em que você crê ele se baseia na Natureza e Natureza Humana para apresentar os ciclos da vida… Bem vindo ao Manual de Gente e a Antroposofia.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *